• Resenha | João e Maria, Neil Gaiman e Lorenzo Mattotti

    Quem nunca ouviu falar na história de João e Maria? Durante a infância, essa foi uma fábula que consumi bastante, desde a livrinhos infantis até desenhos na TV. Porém, o meu interesse em revisitá-la surgiu quando vi o livro ilustrado por Lorenzo Mattotti e escrito por Neil Gaiman, que é um ótimo contador de histórias.


    Em João e Maria, as características de Neil Gaiman não estão presentes de modo gritante na forma com que ele conduz a história, são sutis e você consegue identifica-las somente se já conhecer o estilo do autor. João e Maria é um clássico, e a história recontada aqui é bem próxima da que eu conheci quando criança, mas alguns elementos a tornam muito mais sombria.

    “Isso tudo aconteceu há muito tempo, na época da sua avó, ou no tempo do avô dela. Muito tempo atrás. Naquela época, todos viviam nas margens de uma grande floresta”.

    Aqui temos o lenhador e sua esposa e seus dois filhos, João e Maria. A família sempre foi muito simples, dependia do trabalho pesado do pai para ter o que comer. Quando a guerra chegou, as coisas ficaram complicadas, a comida ficou escassa e não havia o suficiente para alimentar a todos.

    Certo dia, João escutou os pais conversando no escuro. A mulher disse ao lenhador que eles teriam muito mais chances de sobreviver se fossem dois, não quatro. A mãe propôs ao pai levar as crianças até a floresta e abandoná-las lá, à sua própria sorte, assim seria mais fácil dos dois sobreviverem com a escassez da comida.

    O pai contestou, mas no outro dia chamou as crianças para um passeio nas profundezas da floresta. João ficou em estado de alerta, porque sabia o que estava por vir. Foi até as margens do córrego e pegou pedrinhas brancas para marcar o caminho de volta. Uma estratégia que funcionou, mas só da primeira vez. O desenrolar dessa história muito provavelmente vocês já devem saber.

    O conto não foge muito daquele que tivemos conhecimento quando crianças, mas alguns elementos da história o fazem se aproximar mais do horror original do que da versão mais leve. Um exemplo disso são as variações dos personagens. Na história contada para as crianças, a figura da mãe é representada pela madrasta, porque a crueldade de abandonar os próprios filhos assusta e causa espanto.

    Entretanto, o mais interessante não são os toques que a tornam mais macabra, mas o sim o extra no final do livro que contextualiza o conto de fadas e apresenta todas as suas transformações ao longo do tempo. O que supera a cruel realidade dos pais de João e Maria é saber que a história pode ser baseada em fatos reais. Em 1315, no período da Grande Fome, famílias comuns costumavam abandonar os próprios filhos, enquanto outras passaram a se alimentar de carne humana.

    O extra também fala sobre a origem do conto. Foi Dortchen, antes de se casar com Wilhelm Grimm, que apresentou a história aos irmãos, que na época estavam reunindo fábulas locais para preservar a cultura alemã diante da invasão de Napoleão. A história é recheada de simbologias que passam despercebidas, além de transpor e indicar o período em que ela foi inspirada.

    As ilustrações de Lorenzo Mattotti colaboram muito com o clima sombrio da história. Os desenhos são compostos por silhuetas e traços confusos, então você precisa se esforçar para compreendê-los de verdade, exatamente como o conto. Todos os aspectos que citei fazem desse um livro especial, além da edição estar muito bonita. Recomendo para todos os fãs de Neil Gaiman e também para quem gosta de contos de fada. Essa é uma ótima oportunidade para desconstruir a história de João e Maria, descobrir sua origem e perder algumas horas de sono. 😉

    Exemplar cedido em parceria com a editora.


    João e MariaTítulo: João e Maria
    Autor: Neil Gaiman
    Ilustração: Lorenzo Mattotti
    Tradução: Augusto Calil
    Editora: Intrínseca
    Ano: 2015
    Páginas: 56
    Skoob | Goodreads | Amazon

    SINOPSE: O prestigiado escritor Neil Gaiman e o brilhante ilustrador Lorenzo Mattotti se encontram para recontar o clássico João e Maria. Familiar como um sonho e perturbador como um pesadelo, o conto narra a saga de dois irmãos que, em tempos de crise e falta de esperança, são abandonados pelos próprios pais e precisam enfrentar com coragem os perigos de uma floresta sombria. Em um texto poético, Gaiman revive a tradição dos contos de fada, dando profundidade à aventura dos irmãos, mas sem abandonar a autenticidade e o talento único de mesclar realismo e fantasia que o transformaram em um dos maiores autores de sua geração. Mattotti, por sua vez, dá um ar inteiramente novo ao clássico. Seus traços criam um jogo de luz e sombra, permitindo que o leitor desvende aos poucos a imagem, assim como os segredos da história de João e Maria.

     

  • 5 livros para ler no Halloween

    Olá abduzidos, tudo bem com vocês?

    O Halloween está próximo e nós já entramos no clima. O post de hoje é especial, porque eu e o Rogério, colaborador do blog, nos juntamos para recomendar livros que têm tudo a ver com essa data. Particularmente, não sou expert em livros dos gêneros de terror ou suspense, o que já não é o caso do Rogério, mas nós nos esforçamos para trazer as melhores dicas pra vocês.

  • Resenha | A Vida Compartilhada em Uma Admirável Órbita Fechada, Becky Chambers

    Quem já experimentou uma pitada de Becky Chambers sabe o que esperar de um livro seu. Iniciei a leitura de A Vida Compartilhada em Uma Admirável Órbita Fechada com a melhor das expectativas, querendo muito reviver todos os bons sentimentos que o primeiro livro da série Wayfarers me despertou.

    Sinto que esse livro teve um papel especial para mim, porque houveram momentos difíceis em que eu quase não conseguia ler nada, e somente ele foi capaz de prender a minha atenção. Existem dias em que você se sente exausto, tanto físico quanto mentalmente. E não há nada mais precioso do que chegar em casa e ter um momento de refúgio, onde você tem a oportunidade de se distanciar da realidade e conhecer outras possibilidades.

  • Livros para crianças | Coleção Pipoquinha

    Olá abduzidos, tudo bem com vocês?

    Tenho um sobrinho de 5 anos chamado Luan (que já deu suas carinhas em alguns stories lá no instagram), e desde sempre minha irmã e eu trabalhamos incentivando-o com a leitura. Minha parte fica à cargo dos presentes. Aniversário, dia das crianças, natal; qualquer data é motivo de presentear com um livro. Já a tarefa da minha irmã é a mais crucial, entretê-lo toda noite com uma historinha, um hábito que ele aprecia e gosta muito.

    Quando vi sobre o lançamento da Coleção Pipoquinha pela editora Intrínseca, corri mostrar para ele todos os livros que foram inspirados em clássicos do cinema. Ele demonstrou interesse na hora e ficou muito empolgado. Logo que eu recebi  E.T. – O Extra Terrestre pela editora, meu sobrinho tomou posse e leu primeiro que eu.

  • Resenha | Crônicas de Espada e Feitiçaria, Gardner Dozois

    Eu não sou a maior fã de contos. Muito pelo contrário, quem me acompanha sabe que eu gosto mesmo é de calhamaços e de séries longas, que apresentam uma trama complexa, com mundo e personagens bem desenvolvidos. Porém, quando me deparei com o lançamento de Crônicas de Espada e Feitiçaria, o time de autores que compõem a antologia me encheu os olhos, especialmente os que eu já sou bastante fã, como Robin Hobb, Scott Lynch e George R. R. Martin. Mas também a promessa de conhecer a escrita de autores renomados que ainda não vieram para o Brasil também garantiu parte da empolgação.

  • Resenha | O Aprendiz de Assassino, Robin Hobb

    A #MML2018 (Mega Maratona Literária 2018, ou como eu carinhosamente chamo, Melhor Maratona Literária) foi criada pelo Victor do Geek Freak, com o intuito de dedicarmos as primeiras semanas dos próximos 6 meses para ler os livros encalhados da estante. Preciso explicar o porquê essa é a melhor maratona? Finalmente pude me organizar e encontrar um espaço entre as leituras de parcerias e os famigerados furadores de fila para ler livros esquecidos, que seguem tímidos e ofuscados pelos lançamentos tentadores.

    Creio que eu não poderia ter começado melhor, porque ao iniciar O Aprendiz de Assassino me reencontrei com Robin Hobb, a autora do “amor à primeira história”. O Navio Arcano continua sendo o meu livro favorito dela, mas este me trouxe uma experiência diferente, ao mesmo tempo em que reforçou as características que mais gostei  com relação a sua escrita: a narrativa detalhada, capaz de descrever cenários e sentimentos com muita precisão, além do seu dom para construir personagens. Principalmente os odiosos.

  • Resenha | O Poder, Naomi Alderman

    Desde quando li a sinopse de O Poder, várias coisas que poderiam acontecer nessa história me vieram à mente. De fato, tudo o que imaginei – ou algo bem próximo – aconteceu logo nas primeiras páginas, e o que veio depois acabou me surpreendendo bastante. O livro de Naomi Alderman, que também foi eleito um dos 10 melhores livros de 2017 pelo NYT, é verdadeiramente chocante, perturbador e sobretudo poderoso.

  • Resenha | Black Hammer: Origens Secretas, Jeff Lemire

    Para quem aprecia histórias com uma boa construção de personagens, essa HQ é um prato cheio. Escrita por Jeff Lemire e com ilustrações de Dean Ormston, acompanhamos a vida pacata de ex-heróis exilados em uma fazenda fora dos limites do tempo. Não se sabe o porquê eles foram exilados, nem como. Só o que sabemos é que já fazem 84 anos 10 anos que eles salvaram o mundo em Spiral City do temível Antideus, e desde então estão confinados nesta cidade-prisão tendo que disfarçar seus poderes, esconder suas identidades de heróis e agirem como uma família.

  • Resenha | Godsgrave: O Espetáculo Sangrento – Jay Kristoff

    “Em breve, o próprio céu vai conhecer o meu nome”.

    Nevernight me surpreendeu de diversas formas. Para quem esperava encontrar um livro YA, se espantou ao se deparar com uma história sombria, pesada e adulta. Apesar disso, eu tinha me esquecido o quanto a história de Jay Kristoff podia chocar nesses aspectos. Se você já gostou do primeiro livro, certamente irá gostar ainda mais de Godsgrave, porque ele apresenta uma trama mais complexa, dosada de sarcasmo, luxúria e um belo espetáculo sangrento.

  • Dica | 5 livros viciantes

    Olá abduzidos, tudo bem com vocês?

    Na semana passada assisti um dos vídeos recentes do canal Livros e Fuxicos, onde a Paola lista alguns livros viciantes, que prometem prender a sua atenção e te fazer devorá-los bem rápido. Pensando muito nisso, decidi montar também a minha listinha com recomendações do tipo. Alguns deles podem ser ideais para quem está começando a ler ou para leitores que estão passando pela famigerada ressaca literária.