• RESENHAS

    Resenha | Leve-me com Você, Catherine Ryan Hyde

    Perdi as contas de quantos vídeos e resenhas já vi sobre Leve-me com Você. O meu interesse pela história foi surgindo aos poucos, cada vez que via alguém se declarando a ela. Quando comecei a leitura, praticamente já sabia da premissa de cor, mas não fazia ideia que as suas mensagens me atingiriam com tanta intensidade.

  • RESENHAS

    Resenha | Candyman, Clive Barker

    Você parou para pensar que coisas ruins como o medo, o desespero, o horror e a própria morte podem ter um sabor? Se ao invés desse sabor for algo amargo como fel, tivesse em sua boca o gosto de algodão doce, ou do próprio mel. Pois bem, embarque nas linhas comigo, e vamos falar de Candyman!

  • RESENHA

    Resenha | Filhos de Sangue e Osso, Tomi Adeyeme

    Iniciar um livro com muita hype sempre é difícil. Você precisa se controlar para não ir com muita sede ao pote, porque isso pode acabar prejudicando a leitura. Geralmente quando adquiro um livro muito desejado, só inicio a leitura no momento em que consegui controlar as expectativas. Com Filhos de Sangue e Osso isso não foi possível. Sabendo dos riscos, decidi encará-la mesmo assim, torcendo pra ela não ficar à baixo do que eu esperava e me surpreender de alguma forma.

  • RESENHA

    O Homem de Giz, C. J. Tudor

    O Homem de Giz está sendo vendido como algo parecido com It, A coisa e fãs de Stranger Things. A semelhança que existe entre este livro e a história contada por Stephen King, é o fato de ter um grupo de adolescentes e uma garota entre eles, e a história se passar em dois momentos: quando eles têm doze anos, e 30 anos depois. A narrativa vai se intercalando dessa maneira.

  • RESENHA

    Resenha | A Quinta Estação, N. K. Jemisin

    N. K. Jemisin foi a ganhadora do Hugo Awards três vezes consecutivas pela série A Terra Partida, com os livros A Quinta Estação, O Portão do Obelisco e The Stone Sky (título ainda não traduzido no Brasil) respectivamente. A premissa da série apresenta elementos de fantasia e também de ficção científica, meus dois gêneros favoritos. Tudo isso para dizer a vocês que iniciei essa leitura sem saber muito o que esperar dela, ao mesmo tempo que nutri todas as expectativas possíveis.

  • RESENHA

    O Aprendiz de Assassino, Robin Hobb

    Em O Aprendiz de Assassino me reencontrei com Robin Hobb, a autora do “amor à primeira história”. O Navio Arcano continua sendo o meu livro favorito dela, mas este me trouxe uma experiência diferente, ao mesmo tempo em que reforçou as características que mais gostei  com relação a sua escrita: a narrativa detalhada, que descreve os cenários e sentimentos com muita precisão, além do seu dom para construir personagens. Principalmente os odiosos.

  • Sem categoria

    Resenha | O Poder, Naomi Alderman

    Desde quando li a sinopse de O Poder, várias coisas que poderiam acontecer nessa história me vieram à mente. De fato, tudo o que imaginei – ou algo bem próximo – aconteceu logo nas primeiras páginas, e o que veio depois acabou me surpreendendo bastante. O livro de Naomi Alderman, que também foi eleito um dos 10 melhores livros de 2017 pelo NYT, é verdadeiramente chocante, perturbador e sobretudo poderoso.

  • RESENHA

    Resenha | Leonardo da Vinci, Walter Isaacson

    “Se o amor não existe, o que existe então?”

    História é uma ciência da área de humanas que nos permite fazer um estudo reflexivo e crítico sobre o passado, percebendo a evolução do modo de vida, de novas descobertas e através da transformação do pensamento humano. E um dos períodos mais fascinantes dessa transformação do “homem” em seu ambiente ocorre durante a transição entre o período que historiadores chamam de Idade Média, com o fim do feudalismo, para a Idade Moderna.

  • RESENHAS

    Resenha | Godsgrave: O Espetáculo Sangrento – Jay Kristoff

    “Em breve, o próprio céu vai conhecer o meu nome”.

    Nevernight me surpreendeu de diversas formas. Para quem esperava encontrar um livro YA, se espantou ao se deparar com uma história sombria, pesada e adulta. Apesar disso, eu tinha me esquecido o quanto a história de Jay Kristoff podia chocar nesses aspectos. Se você já gostou do primeiro livro, certamente irá gostar ainda mais de Godsgrave, porque ele apresenta uma trama mais complexa, dosada de sarcasmo, luxúria e um belo espetáculo sangrento.