Resenha | Hex – Thomas Olde Heuvelt

Imagine você, caro leitor(a), estar almoçando tranquilamente em sua casa com a família, e quando olha para trás, um ser sobrenatural está ali observando todos vocês. Imagine ir ao banheiro e dar de cara com uma bruxa com a boca e os olhos costurados. Ou imagine você estando nos amassos com o seu crush, e ali do ladinho está a mesma aberração, como se estivesse observado cada ação sua. É assim que a população de Black Spring vive.

Black Spring, assim como os seus habitantes, é um dos personagens da história. Uma pequena cidade da região oeste dos Estados Unidos. Inicialmente a cidade foi colonizada pelos holandeses, e ali viveram uma época de caças às bruxas. Uma delas foi Katherine van Wyler, sendo acorrentada, com os olhos e a boca costurados e condenada à fogueira. Mas por algum motivo, ela permanece vagando pela cidade. E por alguma outra razão, ela também não sai dos arredores dela.

Resultado de imagem para hex thomas

Toda a população é relevante para a história, mas a trama acaba focando na família Grant, especialmente pelo pai Steve, e seu filho mais velho Tyler. Ambos possuem uma boa relação, mas acabam divergindo em algumas conversas, e entre elas está as ideias do filho sobre a bruxa, como a cidade vive sufocada e porque isso acaba afetando a todos.

Para impedir que o segredo da cidade seja espalhado para internet e consequentemente para mundo, existe um aplicativo criado que se chama HEXapp, no qual os habitantes da cidade acabam se auxiliando, inclusive evitando ao máximo que surjam novos moradores na cidade. Afinal de contas, quem entrou não pode sair mais.

“As pessoas acham esperança, consolo ou confiança ao fazer o sinal da cruz ou andar embaixo de escada, assim como você encontra esperança e confiança oferecendo uma flâmula para a bruxa. A magia existe nas mentes daqueles que acreditam nela, não em sua verdadeira influência sobre a realidade. Até mesmo meu filho de treze anos de idade, que precisa aceitar o fato de que a realidade em Black Spring é apenas um pouco diferente do que em outro lugar, parece entender isso. Quem pode afirmar que conhece os próprios filhos?”

Se você é amante do gênero de terror, e adora livros cheio de tensão, como se a qualquer momento fosse acontecer algo ruim, com toda a certeza do mundo você deve ler Hex, pois Thomas sabe impor aqui o clímax em cada linha. Claro que existe o bom e velho clichê da velha bruxa, mas com o povo convivendo tranquilamente com isso é a primeira vez que eu vejo. E fora que, intercalar o velho (a bruxa) com o novo (as tecnologias de nossa época) é outro ponto forte da história. Sinceramente, não consigo ver defeitos pra essa obra. Como disse, é emoção de inicio ao fim, e é daqueles livros que a gente quer acabar de ler, sem que o livro acabe. Entenderam, né? Grande abraço e cuidado com a bruxa.


Título: Hex
Autor: Thomas Olde Heuvelt
Tradução: Fábio Fernandes
Editora: Darkside Books
Ano: 2018
Páginas: 368
Skoob | Goodreads | Amazon

SINOPSE: Um jovem escritor vive em uma pacata cidade da Holanda, cercado por uma densa floresta. Os caminhos que ele precisa percorrer entre as folhas, moinhos e lagos o inspiraram a criar uma história macabra que, com sua originalidade e solidez, conseguiu tocar os corações assombrados dos mestres Stephen King, Joe Hill e George R.R. Martin. O terror holandês chega ao Brasil com Thomas Olde Heuvelt. Toda cidade pequena tem segredos. Mas nenhuma delas é como Black Spring, o pacato vilarejo que esconde uma bruxa de verdade do resto do mundo. Os moradores sabem que não se deve mexer com ela. Assim como aconteceu com as bruxas de Salem, Katherine Van Wyler foi condenada à fogueira. Mas a feiticeira sobreviveu e continua rondando a cidade, mais de trezentos anos depois. Com costuras em seus olhos e correntes nos braços, Katherine aparece nos lugares mais improváveis quando bem entende, sussurrando a morte para quem chega perto o suficiente para ouvir. Assim como a Morte Vermelha, de Edgar Allan Poe, ela enfeitiçou a alma da cidade de forma que escapar não é uma opção: quem se afasta demais tem a mente invadida por pensamentos suicidas, e muitos não retornam para contar a história. Os habitantes de Black Spring controlam os passos da bruxa 24 horas por dia através de um aplicativo de celular desenvolvido especialmente para garantir que a bruxa não seja revelada para os Forasteiros. A vigilância constante aumenta o clima de paranoia na cidade, enquanto um grupo de adolescentes desafia as regras e resolve provocar a bruxa para ver se ela é tão perigosa quanto dizem.

7 comentários

  • Jéssica Rabelo

    Oii Rogério.
    Eu amo livros com suspense, mas morro de medo de terror. E olha que eu li Stephen King. kkkk
    Contudo, achei genial a premissa da história com todas as nuances, mas principalmente pela importância da população para o decorrer da narrativa. Gosto bastante da diversidade de personagens e da construção que ela traz a tona.
    Amei o post.
    Beijos.

    Blog: Fantástica Ficção

    • Rogério Augusto

      Oi, Jéssica. Então, comecei a me aventurar ao gênero de terror a pouco tempo, e esse com certeza é um dos melhores que li. Espero que no futuro você possa ler, estou tentando convencer a Gisele a ler, mas não está fácil haha

  • Cecília Justen de Souza

    Ei! Tudo bem?

    Que resenha mais “uau”, confesso que você foi falando e eu fui me assustando haha Eu sempre achei essa capa curiosa e tive, em vários momentos, vontade de pegar o livro, mas MORRO de medo! Não acho que eu conseguiria passar da metade do livro rsrs Não que isso seja ruim, mas…
    Fiquei com vontade por ser um livro que passa todas as emoções, mesmo que seja de terror, acho impactante haha Ah! Vamos todos tomar cuidado com a bruxa!

    Beijos!
    http://www.365coresdouniverso.com.br/

  • Jacqueline Vasconcelos

    Oi, tudo bem?

    Não conhecia o livro e pelo que vi da sua resenha, ele é uma leitura MARAVILHOSA, que com certeza prende o leitor a trama, os mantendo hipnotizados do inicio ao fim. Uma ótima dica de leitura e todo o enredo, assim como a proposta repleta de referencias está muito atrativa .

  • Eloise

    Oi Rogério, amo livros do gênero e adoro temáticas com bruxa. Adorei saber tua opinião sobre esse livro até porque ele está na minha lista de próximas leituras, fiquei ainda mais empolgada. Sem mencionar essa edição lindíssima da darkside.

    Também fiquei intrigada sobre essa mescla do novo com o antigo, já quero ler.
    Bjokas da Elo!
    http://cronicasdeeloise.blogspot.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *