Resenha | As Sombras de Si Mesmo – Brandon Sanderson

Sempre há outro segredo. Se você já leu a primeira trilogia de Mistborn, deve estar bastante familiarizado com essa frase, porque ela resume muito sobre o que esperar sobre as histórias dessa série. Na segunda era, ela continua fazendo todo sentido. Por mais que eu esteja acostumada com as histórias de Brandon Sanderson, é incrível como ele não perde a mania de me surpreender, brincar com os meus sentimentos e consequentemente me fazer de boba, é claro. Mas não estou reclamando, eu adoro isso. 😛

“Os dias dos heróis já passaram. Os contos em que pessoas mudavam a história pertencem a outro mundo”. 

Resenha sem spoiler
Resenha A Liga da Lei (Mistborn: Segunda Era #1)

Esqueça tudo o que você sabe. Para ler Mistborn, você precisa abrir sua mente ao máximo, porque provavelmente você não enxerga a mínima fração do que realmente está acontecendo. E as revelações sempre chegam em forma de avalanche, para te surpreender e te destruir.

Em A Liga da Lei tivemos uma noção de como o mundo de Scadrial evoluiu, tanto em aspectos climáticos quanto no sistema de magia. Uma das características que mais gosto na forma com que Sandenson conduz suas histórias, é como ele mostra o quanto é difícil atingir um ideal – ou o famigerado final feliz. Por mais que os acontecimentos finais da primeira era foram favoráveis para o mundo, nem tudo são flores. Mais de 300 anos após esses eventos, mesmo que Harmonia prevaleça, os problemas continuam surgindo, cada vez mais difíceis.

“Ninguém muda o mundo evitando as perguntas difíceis”.

As Sombras de Si Mesmo apresenta quase que literalmente, uma caça ao fantasma. Uma corrida insana contra um inimigo desconhecido que pode estar em qualquer lugar, utilizando a fisionomia de quem você mais confia. A partir daí, acompanhamos Wax, Wayne e Marasi entrarem em ação e trabalharem juntos mais uma vez.

Resultado de imagem para wax wayne fanart

Cada vez mais, Wayne se destaca como o meu personagem favorito. É incrível a queda que eu sofro por personagens excêntricos, e essa é a melhor forma de defini-lo. Além de funcionar muito bem como alivio cômico, Wayne me envolve com as suas características singulares; é necessário cavar fundo para compreendê-lo e entender quais são suas reais motivações. Confesso que ansiei bastante por capítulos com o seu ponto de vista.

“- Preciso que você fique para trás enquanto entramos no cortiço – pediu Wayne, determinado a impor a um tom solene à sua voz. – Não é que eu não queira sua ajuda. Eu quero. Só que vai ser perigoso demais para você. Precisa ficar onde sei que estará em segurança. Sem discussão. Sinto muito.
– Wayne – disse Wax ao passar perto dele -, pare de falar com seu chapéu e venha até aqui”.

Por outro lado, Wax conseguiu me conquistar de verdade neste livro, o que ainda não tinha acontecido. No livro anterior, me senti desconectada do personagem, que aparentava ser completo e maduro; pronto. Já aqui, as características continuam, mas me importei e o compreendi muito mais. É sim, um personagem mais evoluído, mas o seu desenvolvimento é constante, diante dos conflitos que precisa enfrentar.

“- Os únicos momentos em que realmente sei quem sou, são aqueles em que coloco o casaco de bruma, prendo as armas na cintura e saio numa caçada a homens raivosos”.

Preciso ressaltar que Wax e Wayne formam uma dupla que funciona muito bem. A confiança e o conhecimento que um tem sobre o outro é muito deleitoso de se acompanhar.  Mas, um fator extremamente positivo, foi a inserção de outros personagens interessantes na história. Alguns já familiares – que vou me abster de comentar para não estragar a sua experiência de leitura – e outros, como Aradel, o comissário geral, que foram muito bem constituídos.

A atmosfera neste livro mudou drasticamente, de aventuresca e descontraída, para uma trama mais tensa e complexa, algo mais próximo da primeira era de Mistborn. E admito que prefiro dessa forma. Há sim, situações extrovertidas, principalmente aqueles protagonizadas por Wayne, no qual você ri espontaneamente, mas os momentos apreensivos e de desespero se sobressaem e fica difícil controlar a respiração durante a maior parte da leitura.

Mais uma vez, Brandon Sanderson surpreende com o seu sistema de magia intricado e distinto. O que mais aprecio dentro dessa criação, são as limitações que elas apresentam, fazendo com que os personagens quebrem a cabeça ao terem que lidar com ela.

E ah, como não falar sobre as referências? Elas continuam, cada vez mais significativas. Ao ler os livros da segunda era, você sente as influências e os acontecimentos da primeira trilogia vivos, induzindo diretamente na história do presente. E isso é tão bom, nostálgico e ao mesmo tempo emocionante. Você revive um pouquinho da antiga história e acompanha a importância que ela tem na trama atual.

“- Já se perguntou – devaneou Edwarn, ignorando a objeção de Wax – se você se daria bem com eles? Se vivesse naquela época, o que veria? Um bando de malandros? Criminosos? Você teria algemado a Guerreira Ascendente e a colocado atrás das grades? A lei não é algo sagrado, filho. É só um reflexo dos ideais daqueles com sorte o bastante para estar no comando”.

E preciso não só mencionar, mas enfatizar o estado que esse livro me deixou no final. Teve momento de desespero, lágrimas e desolação, porque eu não estava preparada para o que estava por vir. E é justamente por essa conclusão que iniciei essa resenha utilizando uma frase da trilogia anterior. Sempre há outro segredo e eu não vejo nada, não sei de nada e estou aqui apenas para assistir – e aplaudir, sempre.

Resultado de imagem para palmas gif

Sim, sou suspeita para falar dos livros de Brandon Sanderson, sobretudo de Mistborn, um mundo que aprendi a gostar tanto. Mais do que acreditar nas minhas palavras, convido vocês a experimentarem essa história. Se já leu a primeira trilogia, ótimo, dê uma oportunidade à segunda era, uma história com personagens intrigantes, um estilo de trama diferente, mas ainda assim incrível.

Se ainda não leu – não era nem para você estar aqui, mas – aproveita que a trilogia está completa e é uma ótima porta de entrada para os livros do autor.


As Sombras de Si MesmoTítulo: As Sombras de Si Mesmo (Mistborn: Segunda Era #2)
Autor: Brandon Sanderson
Tradução: Márcia Blasques
Editora: Leya
Ano: 2017
Páginas: 336
Skoob | Goodreads | Amazon

SINOPSE: A evolução do planeta está em risco, e caberá a Wax Ladrian lutar para garantir a harmonia conquistada a duras penas. Em As sombras de si mesmo, ele contará com a ajuda seu excêntrico comparsa Wayne, e da  brilhante Marasi, para desvendar a conspiração terrorista e assassina que ameaça tirar Scadrial da trilha do progresso.

9 comentários

  • Jessica Rabelo

    Oiie Gisele. Quanto mais você cita mais sinto vontade de ler Bryan Sanderson. Eu amo livros no gênero e amo segredos, alem de também ter queda pelos excêntricos. Louca para começar essa série.
    Beijos.
    Blog: fanficcao.wordpress.com

  • Amor pelos Livros

    Oieee,
    Quando li sobre o que seria sua resenha ficou surpresa porque, um dia anterior li sobre o mesmo livro (será uma mensagem do Universo falando que preciso ler?? Fica ai esse questionamento kkkkkkkk), e assim como aconteceu na outra resenha, novamente sinto aquela vontade enorme de ler esse livro (é deve ser o Universo kkkkk), sua resenha foi bem mais detalhada mas pontou as mesmas coisas que a outra e percebi que essa é realmente uma excelente história!
    Amei a resenha!

    • Gisele Lopes

      Não podemos ignorar as forças do Universo, leia Mistborn pra já! Hahaha
      Que bom que você gostou! Espero que você dê uma chance à essa história, e goste tanto quanto eu. Beijos!

    • Gisele Lopes

      Hahahahaha que bom que acredita, Vivi! Que honra e responsabilidade ao mesmo tempo! Espero que você leia e se encante com a série como eu. Ah, e personagens excêntricos são só amor, né? Amo demais! Beijos.

  • fabiely

    Nossa, que resenha maravilhosa. Amo leituras assim que trazem um algo a mais. A parte que citou que os personagens deve quebrar a cabeça para desvendar os mistérios , creio que deve ser maravilhoso, pois nos leva a pesar interagir e se sentir como parte do enredo.
    O final citado me deixou muito curiosa a conhecer essa escrita maravilhosa.
    Adorei as fotos e o post!
    Beijos

  • Elisabete Finco

    Olá, pela primeira vez entendi o porque de tantos comentários positivos a segunda era dessa série, e também porque vale a pena a leitura. Sinceramente, me parecia mais uma daquelas história caça-níquel mas pela sua resenha ficou claro que não é que agrada tanto aos que já são fãs, quanto aqueles como eu que ainda não conhece. Amei seu cuidado em avisar que não tem spoiler ♥ muito amor por resenhas assim. Elis ~ Blog Pretenses.

  • Eloise

    Para tudo!! Já amei só pelo fato do livro me surpreender com muitas revelações!!! E percebi que o final é daqueles que nos derruba com uma enxurrada de emoções certo?. Não conheço a série, mas depois da sua resenha vou aderir hahaah com certeza vou por na minha lista de leituras. Fiquei muito curiosa!!!<3

    Ótima resenha!
    Bjokas da Elo!
    http://cronicasdeeloise.blogspot.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *