Resenha | A Liga da Lei – Brandon Sanderson

“O objetivo é a harmonia, criar um caminho para o máximo possível de pessoas fazerem suas escolhas”.

É sempre difícil controlar as expectativas para um livro de Brandon Sanderson. Agora e quando falamos de uma de minhas histórias favoritas? A primeira era de Mistborn, trilogia na qual finalizei em 2016, é uma das minhas mais queridinhas. Foi a obra na qual me apaixonei pelo autor e o considerei um dos meus favoritos.

Com a segunda era em mãos, não consegui me segurar e iniciei o livro muito animada, mesmo sabendo que essa nova história tem uma pegada totalmente diferente da primeira trilogia. E preciso dizer que minha animação só aumentou durante a leitura.

Imagem relacionada

De volta a Scadrial, mais de 300 anos se passaram após os acontecimentos que encerraram a primeira era. Agora, nos vemos diante de um mundo diferente, com muita evolução e tecnologia.

Desde o início da história, deu para perceber que a segunda era de Mistborn apresenta uma atmosfera muito diferente da qual acompanhamos antes dela. Aqui, estamos expostos a uma trama de fantasia urbana recheada de ação e bom humor. Mais divertida e aventuresca, quando comparada ao estilo épico da primeira história.

Resultado de imagem para mistborn wax wayne

Wax é uma espécie de vigilante que servia para manter a ordem nas Terras Brutas, que assim como o próprio nome diz, é uma região perigosa e selvagem. Depois de uma tragédia que mexe muito com ele, Wax é obrigado a retornar para Elendel e assumir o seu lugar na posição de Herdeiro da Casa Ladrian. O breve tempo que passa na metrópole, Wax desconfia que apesar de não possuir a mesma casca rude das Terras Brutas, Elendel pode ser um lugar ainda mais perigoso. Com isso, ele fica divido entre assumir suas responsabilidades como Lorde da Casa ou se render à vida de justiceiro estrategista, acostumado a lidar com mistérios e problemas.

“Fui atraído à lei por uma necessidade de encontrar respostas que ninguém mais conseguia dar, de capturar homens que todos consideravam inalcançáveis”.

Já Wayne, o mestre dos disfarces, é o tipo de personagem que eu gosto. Aquele malandro com piadas na ponta da língua, que nunca perde o bom humor, independentemente da situação. Há algumas características que torna o personagem fascinante. Me apeguei a ele logo na sua primeira aparição e de longe, foi o meu favorito da história. Espero ter muito mais dele nos próximos livros.

Wax e Wayne protagonizam momentos muito bons, de diálogos divertidos e cenas de ação de tirar o fôlego. Juntos, eles formam uma dupla interessante, gostosa de acompanhar.

“Wayne fitou seus olhos e assentiu com a cabeça. Wax viu a tensão no rosto do amigo. Os dois estavam esfolados e ensanguentados, com pouco metal e mentes de metal drenadas. Mas não era a primeira vez. E era assim que conseguiam brilhar ainda mais.”

Outra personagem que ganha bastante destaque neste primeiro livro chama-se Marasi, uma estudante de direito aspirante a investigadora. Embora a personagem não tenha me cativado muito – pelo contrário – ela se mostrou crucial para o caminhar da história.

“Você é inexperiente. Como eu fui, no passado. Como todo homem foi. A medida de uma pessoa não é o quanto ela viveu. Não é a facilidade com que pula ao ouvir um barulho nem a rapidez com que mostra duas emoções. É como ela faz uso do que a vida lhe mostrou.”

Um dos pontos fortes de Brandon Sanderson é criar e explorar seus sistemas de magia com muita criatividade. Em A Liga da Lei, o sistema apresentado mostra uma evolução muito surpreendente e plausível.

Agora, o que realmente mexeu comigo e me deixou emocionada durante a leitura, foram as incríveis e lindas referências feitas à primeira era. Aos acontecimentos, aos personagens. Desde referências mais sutis à outras grandiosas como o nome da principal cidade de Scadrial, Elendel.

Com 288 páginas, este é o livro mais curto que li de Sanderson. A narrativa é fluida, os diálogos agradáveis e o mistério faz com que você queira ler tudo numa sentada só – eu tive que me segurar bastante para não fazer isso. A Liga da Lei funciona como uma introdução para a segunda era, ela nos apresenta os personagens centrais, a evolução do mundo e do sistema de magia.

E este é o ponto alto da história, mostrar que as coisas podem (e devem) evoluir. Aqui, tudo está diferente, mas você é capaz de distinguir a transição, como foi que as coisas chegaram onde estão. Sabe aquele famoso ditado, “Em time que está ganhando não se mexe”? Sanderson provou com ousadia que é possível pegar um mundo pronto e muito bem estruturado e fazê-lo evoluir, torna-lo ainda mais interessante.

“Da mesma forma que um dia quente pode deixar uma pessoa irritadiça, uma área em decadência pode transformar um homem comum num criminoso”.

Não está entre os melhores livros de Brandon Sanderson que já li, mas a história serviu a um propósito bastante satisfatório; introduzir e apresentar um mundo com personagens e uma trama muito promissora.

Me diverti bastante e vibrei nos momentos de maior tensão e ação. Os toques sutis do autor estão muito bem representados – os personagens bem construídos, o sistema de magia complexo e os elementos de surpresa que te chacoalham durante a leitura. Me senti assistindo a um filme divertido e muito bem estruturado de bang bang.


A Liga da LeiTítulo: A Liga da Lei (Mistborn: Segunra Era #1)
Autor: Brandon Sanderson
Tradução: Petê Rissati
Editora: Leya
Ano: 2017
Páginas: 288
Skoob | Goodreads | Amazon | Box

SINOPSE: A Liga da Lei mostra o progresso de Scadrial, 300 anos após os acontecimentos da primeira saga, que apresentou ao público as aventuras protagonizadas por Vin, Elend, Kelsier e cia. Mas, a evolução do planeta está em risco, e caberá a Wax Ladrian lutar para garantir a harmonia conquistada a duras penas. Em A liga da lei, ele deixa as Terras Brutas em direção à metrópole, onde descobrirá que nem os dias mais perigosos que passou nas empoeiradas planícies se comparam ao que terá de enfrentar.

16 comentários

    • Gisele Lopes

      Oi Jess! Não se preocupe, o Sanderson costuma fazer suas histórias bem fechadinhas, se você ler o primeiro livro de Mistborn e não quiser continuar, pode ficar com a consciência tranquila, porque ele consegue solucionar a maioria dos problemas apresentados em um único livro. Mas eu duvido você não querer… kkkkkk. Enfim, o mesmo acontece com as eras. São histórias dentro do mesmo mundo, mas independentes. Espero que você dê uma chance <3

  • Fe Akemi

    Oiee
    Que capa linda!!!
    Eu nunca li nada do autor, mas gostei do estilo ação e com toques divertidos no meio. Sua resenha me empolgou, ficou perfeita!!!
    Tão bom quando a gente se identifica muito com um autor/obra. Quero conhecer!!!

    bjs
    Fe
    Conduta Literária

  • Cecília Justen

    Ei! Tudo bem?

    Nunca li nada do autor, não conheço muitas obras, mas adorei sua resenha e ela me empolgou bastante a conhecer melhor o escritor.
    Você comentou sobre os diálogos, acho super importante isso. Fico muito feliz em saber que o autor saber escrever excelentemente nessa parte. Também sou uma fã de mistério e como são poucas páginas, acredito que leria (como você disse) “em uma sentada só” haha
    Não é seu livro favorito do autor, qual é então? Você me aconselha a começar por algum específico? Estou interessada 🙂

    Beijos!
    http://www.as365coresdouniverso.com.br/

    • Gisele Lopes

      Olá, Cecília! Esse livro caiu como uma luva, já que eu estava saindo de uma leitura mais densa, então ele foi bem rápido e divertido de ler. Sou suspeita pra falar do autor, mas eu amo a primeira era de Mistborn, trilogia que antecede a desta resenha, e Elantris. Mas recomendo todas as obras dele lançada aqui no Brasil hahaha <3 Espero que você dê uma chance para conhecê-lo. Beijos.

  • Viviane Oliveira

    Vou ler os livros do autor de tanto vc indicar! hahaha
    Mas na verdade adoro essas fantasias e seus mistérios. O toque de humor tb me consquista, sou como vc, adoro personagens com piadas descontraídas para dar aquele respiro a história!

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

  • fabielymiranda

    Nossa que capa linda! Achei que era um dementador quando vi de relance kkk
    Adoro fantasias ainda mais quando trazem personagens cativantes e uma pitada de humor. Sem dúvidas deve ser uma leitura maravilhosa!!
    Beijos

  • Iris

    Oi Gisele!!
    Eu só li O Coração de Aço do autor e fiquei totalmente fascinada pela escrita e pela forma como ele cria os universos. Misborn é um dos meus desejados para ler em 2018 e conhecer mais obras do autor! Arrasou na resenha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *